O ano de 2018 para cinco crianças. Nº 11 (2018)

 

Todo fim de ano a história se repete! As pessoas ficam mais emotivas e começam a relembrar o que aconteceu nos últimos 12 meses. As escolas reúnem a produção dos alunos (o que é chamado de portfólio) e as empresas fazem reuniões com gente engravatada para pensar sobre o que deu certo e o que deu errado no trabalho daquele ano (a isso, chamam de balanço).

Jornais e revistas também relembram os principais fatos ocorridos no Brasil e no mundo: eventos esportivos, desastres naturais, acontecimentos políticos, descobertas científicas, tudo isso costuma fazer parte de uma retrospectiva. A palavra retrospectiva vem do latim retrospectare (olhar para trás) e significa exatamente relembrar um período de tempo passado.

E por falar em memória, nos lembramos da frase de uma criança de 11 anos que diz assim:

“O tempo é algo que todos usamos enquanto estamos em lugares diferentes.”*

Essa boa definição nos inspirou a realizar uma edição especial da revista Manga de Vento. Para começar, convidamos cinco meninos e meninas que moram em regiões bem distintas, dentro e fora do Brasil, para relembrar esse tempo partilhado por crianças e adultos de diferentes lugares do planeta: o ano de 2018. Depois, pensamos que seria legal deixar essa edição disponível para assinantes e também para não assinantes. 

A conversa com esses meninos e meninas provocou em nós uma porção de questionamentos que dividimos com você. Será que as retrospectivas levam em conta os interesses de todas as idades? Os grandes fatos do Brasil e do mundo são mais importantes do que os acontecimentos pessoais? Por que as notícias ruins ganham mais destaque do que as notícias boas? Quais fatos as crianças consideram que deveriam realmente ser lembrados?

Bem, isso foi o que pensamos conversando com essas cinco crianças.

E você? O que pensou a partir desses relatos?

2018 para Sofia Hood, de 10 anos, de Belo Horizonte

2018 para Luan Ramos de Souza, de 11 anos, do complexo da maré no Rio de Janeiro

2018 para Giulia Zatri, de 10 anos, de Milão, na Itália

2018 para Aquiles Silva da Encarnação, de 12 anos, da comunidade de Xixuaú, no Amazonas

2018 para Majo, de 12 anos, de Medelim, na Colômbia

 

  • Frase de Liceth Andrea Zuluaga, no livro de frases de crianças “A Casa das Estrelas”, organizado pelo professor Javier Naranjo.